A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » A que se deve a queda de Dilma? Que lições aprendemos ?

A que se deve a queda de Dilma? Que lições aprendemos ?

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 7 de janeiro de 2017 | 13:13





*LAILA VANETTI

Em 2013, a revista Forbes lançou uma lista com as mulheres mais influentes do mundo. Dilma Rousseff ficou em segundo lugar, atrás apenas de Angela Merkel, a chanceler alemã. Na era Dilma a última pesquisa da Datafolha, ela tinha um índice de rejeição de 69% e atingiu o nível histórico de 71% em agosto. Eu pergunto para você: o que mudou desde 2013?...Como ocorreu essa queda? Podemos atribuir somente à mídia e às mesma forças ocultas da era Vargas?...



Podemos fazer infinitas conjecturas, assumindo incompetência governamental, corrupção ativa, o aumento súbito da inflação, manipulação midiática, as taxas de desemprego subindo… E todas têm alguma razão.Todos os pontos são válidos, mas realmente não acredito que sejam a raiz do problema.Afinal, mesmo com todos esses problemas, a presidenta poderia ter se mantido uma figura forte e influente, uma liderança que poderia inspirar confiança e segurança, que poderia ser considerada capaz de superar uma crise sistêmica.






Então, o que aconteceu?



Resumindo em palavras rápidas e simples: Dilma Rousseff perdeu seu poder de influência.Influência é poder e isso deve ficar bastante claro.Não estamos aqui falando sobre a influência agressiva, exercida por armas e imposição, mas, sim, a influência generosa, baseada no diálogo, que envolve ouvir e ser ouvido. Foi exatamente o que Dilma não teve e não fez em momentos cruciais de seu mandato.



A presidenta parou de ouvir e não fez sua voz ser ouvida de forma urgente e confiante o bastante para inspirar liderança. A insatisfação da base aliada e do próprio vice-presidente prova que ela não foi capaz de ouvir e o fato do Congresso ter se mostrado hostil às suas políticas mostra também que ela não tem influência sobre as pessoas que foram selecionadas para lhe auxiliar na sua gestão.



Mesmo quem inicialmente votou em Dilma sofreu com a quebra de promessas feitas em campanha e perdeu a confiança na presidente. A consistência da palavra, também, afeta o seu poder de influência. Ser consistente demonstra uma postura confiável e não interesseira, que faz com que as pessoas gravitem em sua direção.Sem influência, sem postura, Dilma tem poucos aliados, poucas pessoas dispostas a acreditar em suas palavras,logo ela não tem poder.E essa falta de poder e influência é uma das principais causas da grande crise política na qual nos encontramos.







Então, o que podemos aprender com a presidenta do Brasil sobre influência?



1 – Igualdade: O diálogo aberto baseado em igualdade é a chave para conseguir e manter os aliados, tendo. Qualquer outra situação (seja você exigindo demais da segunda parte, ou deixando a segunda parte se aproveitar demais de você) é prejudicial a longo prazo. Ceder demais é tão ruim quanto exigir demais.



2 – Promessa: Mantenha suas promessas a qualquer custo. Nada prejudica mais a sua imagem, o seu logo, a sua influência do que a quebra da sua palavra. As pessoas buscam credibilidade, confiança, e não incertezas e hesitações, tanto em atitude quanto em palavras.



3 – Aliados: Sem aliados e sem apoio, você não tem influência; logo, não tem poder. Mesmo por trás da máquina mais poderosa do Estado, sem influência pessoal, sem expandir a sua Influenciosfera, o poder do Executivo não tem muita utilidade. Você sempre precisa vender a sua ideia para alguém, mas sem ninguém disposto a comprar, de que adianta essa ideia?Por isso, existe algo que podemos aprender com a era Dilma: que o verdadeiro poder não é a cadeira na qual você senta, mas sim com quem você se relaciona e quem apoia você quando você precisa.

CONCLUSÃO:



É a sua influência que define o seu sucesso final.Então, expanda a sua Influenciosfera. Ouça e seja ouvido. Só assim você conseguirá ter o controle da situação e não ser controlado pelas circunstâncias.



*LAILA VANETTI - Mentora em escrita persuasiva, em liderança e em argumentação, Laila é também especialista em retórica e fundadora e diretora da Scritta Cursos e Consultoria.


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger